A perda de um filho: Como lidar com esta dor profunda

A perda de filho implica num tipo muito particular de luto. A situação demanda adaptações, nos aspectos individuais de cada um dos pais e da família toda no enfrentamento desta dor, citadas por muitos como a mais profunda que possa existir.

Ocorre que a perda de um filho muda todo o sistema familiar. E diante dela, a sociedade como um todo precisa aceitar o fato e apoiar da melhor maneira possível os familiares envolvidos.

A perda de um filho: Significados

Quando há perda de um filho, perdemos também, toda nossa perspectiva de futuro. Tudo que programamos para realizar nos anos que ainda vão chegar precisa ser revisto. São sonhos e projetos que precisamos alterar e a sensação é de que não seremos capazes de seguir nossas próprias vidas.

Um filho, além de significar uma extensão biológica dos pais, é responsável por todo um aspecto emocional na vida de todos: pai, mãe, irmãos, avós, tios e primos. Devido à toda esta corrente, vem a sensação de que perdemos um pedaço de nós mesmos. E junto dela, um vazio bastante doloroso.

O luto pela partida de um filho também desperta sentimentos de culpa e revolta. Seja o luto paterno ou o luto materno, as fases que precisam ser vividas por todos que perdem um ente querido, se repete neste caso. Porém, com mais intensidade. E, em alguns casos, por muito mais tempo.

Fé e outras crenças são questionadas

Diante disso, é comum que os pais venham a questionar Deus ou o universo sobre as razões da morte. Questiona-se a nossa própria fé que, até então, nos fazia acreditar que tudo tem um sentido na vida. Mas para entender, aceitar a morte e ter forças para seguir em diante, é necessário todo um processo. E neste processo, é preciso levar em conta algumas questões como:

  • Como era o relacionamento dos pais com este filho?
  • Qual a idade do filho que partiu?
  • Qual a causa da morte, doença ou acidente?
  • Há outros filhos? Quantos?
  • Qual a estrutura e as circunstâncias do casamento do casal?

Devido ao tamanho da dor e à dificuldade de lidar com a perda de filho, é provável que os pais, ambos ou um deles, passe a apresentar transtornos físicos, como:

  • Dores de cabeça;
  • Cansaço excessivo;
  • Diarreia;
  • Insônia;
  • Distúrbios gastrointestinais;
  • Diabetes;
  • Perda de peso;
  • Retardo psicomotor;
  • Palpitações;
  • Estresse;
  • Perda do desejo sexual.

Ajuda profissional

Neste caso, a ajuda profissional e especializada é fundamental. O ideal é consultar um médico e também um psicólogo para dar início a uma terapia.

Todas as relações familiares são impactadas pela perda de um filho. Mas, sem dúvida, o casamento dos pais é o que mais sofre. O tamanho deste impacto depende muito das características do relacionamento. Se moram juntos, se brigam muito ou não, enfim, a vários aspectos emocionais envolvidos.

O diálogo é a única forma para se enfrentar este momento tão delicado. É preciso que todos expressem com liberdade o que estão sentindo e recebam apoio e entendimento. A dor guardada é muito mais pesada. Quando falamos sobre ela, repartimos e ai tende a ficar mais leve.

O distanciamento entre as pessoas e o isolamento só pioram a situação. É preciso resgatar todo estoque de força e coragem que temos dentro de nós até porque, na maioria dos casos, há outros filhos que também demandam a atenção dos pais. E isso serve para qualquer idade. Mesmo adultos precisam deste suporte. Quanto a isto os pais devem evitar:

  • Elogiar em demasia do filho que partiu;
  • Fazer comparações com os outros filhos;
  •  Dizer que a vida acabou, não levando em conta a presença de outros filhos;
  • Não dar a devida atenção ao sofrimento dos filhos que ficam.

Se você achou este artigo interessante, conheça o site do Grupo São Judas Tadeu e confira outros artigos sobre perdas na família.  

COMENTÁRIOS