Como vivenciar as fases do luto

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Quem já passou pela perda de ente querido sabe a proporção da dor causada por este fato. Aos poucos, com o passar do tempo, essa dor vai suavizando e passamos a sentir de outra maneira, mas a saudade sempre fica em nosso coração. Muitas vezes, não sabemos, mas como a vida, o processo após a perda também tem suas fases. É preciso vivenciar as fases do luto, para que a vida volte à normalidade e siga em frente.

A dor da perda de ente querido

Não importa se perdemos o ente querido por ele ter alcançado uma idade avançada e ter vivido tudo o que podia, ou se o perdemos para uma doença terrível que lhe causava sofrimento. O fato é que a perda é sempre difícil e traz dor em algum grau, seja maior ou menor.

O luto pode trazer dificuldade para continuarmos a viver o dia a dia devido àquela pessoa querida não estar mais entre nós. É preciso vivenciar a dor da tristeza, enfrentar todas as fases do luto, chorar o que for necessário e, depois, seguir em frente.

Fases do luto

O luto é um processo fundamental e necessário para que o vazio deixado por uma perda importante possa ser preenchido.

Entender as fases do luto pode ser uma maneira de ajudar a vivenciá-las de maneira correta. Para que aos poucos consigamos sair da tristeza e voltarmos à nossa rotina normal. Vamos ver então, quais são essas fases do luto.

  1. Negação:

A fase da Negação trata-se de uma fuga da realidade, ou seja, uma defesa psíquica, quando a pessoa tenta evitar o contato com a perda, com a realidade, seja a morte de um ente querido ou até algo muito importante, como o emprego, por exemplo. Geralmente a pessoa em negação não quer nem falar a respeito do assunto.

  1. Raiva:

Chamada de Raiva, esse é o momento da revolta. Fase em que a pessoa sente que o que aconteceu foi injusto e que não merecia passar por este momento. Se sente frustrada porque não pôde fazer nada para evitar a situação.

  1. Negociação:

Na fase da Negociação, se cria uma ficção. Pode ocorrer antes da morte ou quando ela é eminente. É como uma fuga da realidade, a pessoa imagina que aquilo não vai acontecer ou não está acontecendo. E que ela pode ter o controle da situação. Por ser difícil ficar imaginando algo irreal o tempo todo, essa fase é bastante breve.

  1. Depressão:

A fase da Depressão é quando a fantasia e negação se vão, deixando lugar para a constatação de que a morte é irreversível. Surge uma tristeza profunda e a pessoa realmente se permite sentir o luto. Se isola para sentir sua dor e constata que é impotente perante a situação.

  1. Aceitação:

Por fim, chega o momento em que a perda do ente querido é aceita. É quando conseguimos aceitar e entender que a vida continua. A dor vai, aos poucos, se tornando mais amena e o cansaço e os sentimentos intensos vão dando oportunidade para a alegria de viver a normalidade. E, assim, as coisas voltam ao normal.

Vale deixar claro que, estas fases podem ser vividas de maneira mais ou menos intensa, variando de pessoa para pessoa. Pode acontecer também de a pessoa não passar por todas as fases. Algumas ficam presas em determinada fase e necessitam de ajuda externa, como um acompanhamento psicológico, por exemplo.

O importante é procurar viver essas fases. Fugir do luto pode tornar a dor e a dificuldade de voltar à vida normal muito mais difíceis.

Conheça o Plano Assistência Funerária do Grupo São Judas Tadeu e não se preocupe com trâmites burocráticos neste momento difícil.

 

Você e sua familia vivendo com tranquilidade

Já conhece o Plano São Judas Tadeu?
Deixe seus dados que entraremos em contato com você, para tirar suas dúvidas.