Como os cuidados paliativos ajudam a superar o luto

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Os cuidados paliativos servem para trazer conforto, tanto ao doente, quanto aos familiares. E também, para ajudar a superar o luto nos casos em que a cura não acontece.

Quem já passou ou está passando por isso sabe bem que diante de uma situação de doença grave, todos sofrem.

Desde o paciente que precisa suportar o tratamento até os familiares e amigos íntimos, que sofrem por ver um ente querido passando por momentos tão difíceis e com a possibilidade até de morte.

O que são cuidados paliativos?

A Organização Mundial de Saúde considera como cuidados paliativos o conjunto de procedimentos que envolve as dimensões física, emocional e espiritual. E que são direcionados aos pacientes e familiares que enfrentam uma doença grave e com risco sério de evoluir até o falecimento.

Os cuidados paliativos, portanto, tratam dos desconfortos causados pelos sintomas do paciente e auxiliam a entender, aceitar e suportar a realidade.

Importante lembrar que portadores de doenças como câncer, Aids, diabetes e cardíacas ou que afetem o sistema neurológico e outras consideradas graves, tendo ou não chance de cura, podem receber os cuidados paliativos.

Esses cuidados geralmente são ministrados com o objetivo de auxiliar o paciente e seus familiares, como já dissemos, a suportar e administrar os sofrimentos e conflitos causados por um tratamento muitas vezes difícil e doloroso.

E também ajudar a superar o luto nas suas diversas nuances.

Fazem parte dos princípios dos cuidados paliativos:

  • Respeitar a autonomia e dignidade dos pacientes.
  • Reconhecer, avaliar e oferecer acesso a serviços para o atendimento psicológico, social e espiritual.
  • Preservar o direito do paciente de escolher entre os tratamentos, incluindo aqueles que podem ou não prolongar a vida.
  • Manter uma comunicação clara e cuidadosa com os pacientes, suas famílias e seus cuidadores.
  • Identificar os principais objetivos dos cuidados de saúde a partir do ponto de vista do paciente.
  • Prover o controle da dor e de outros sintomas de sofrimento físico.
  • Manter uma atitude de suporte educacional a todos os envolvidos nos cuidados diretos com o paciente.
  • Proporcionar o acesso ao apoio terapêutico, abrangendo o espectro de vida através de tratamentos de final de vida que proporcionem melhora na qualidade de vida percebida pelo paciente, por sua família e seus cuidadores.
  • Organizar os cuidados de modo a promover a continuidade dos cuidados oferecidos ao paciente e sua família, sejam estes cuidados realizados no hospital, no consultório, em casa ou em outra instituição de saúde.

Como são conduzidos?

Por serem voltados às necessidades do paciente e das pessoas à sua volta, os cuidados paliativos envolvem a avaliação e tratamento dos sintomas que causam desconforto físico, como dor, cansaço, falta de ar, entre outros.

Eles são conduzidos de forma a amenizar o sofrimento e a perda da qualidade de vida. Por isso, eles tratam simultaneamente as necessidades emocionais, sociais e espirituais dos envolvidos.

O conjunto de tratamentos pode envolver diversos profissionais qualificados para lidar com este tipo de situação. É uma equipe multidisciplinar e que pode ser composta por psicólogos, psicoterapeutas, psiquiatras, padres, pastores ou diferentes líderes espirituais das mais diversas crenças, assistentes sociais e até voluntários dispostos a levar conforto.

Esses tratamentos se complementam na medida em que o desconforto dos sintomas é amenizado por meio de cuidados mais efetivos e afetivos. Mesmo nos casos mais agressivos, buscam promover sempre a melhora na qualidade de vida.

O papel dos cuidados paliativos para superar o luto

A atuação do equipe multidisciplinar no ambiente hospitalar é fundamental. Nos casos mais graves, pacientes, familiares e pessoas muito próximas recebem orientação e conforto.

Ao compreender os sentimentos e pensamentos, a equipe profissional ajuda a lidar com a iminência da morte.

Por exemplo, o psicólogo. Quando ele atua junto à equipe multidisciplinar, cuida do suporte emocional necessário para o enfrentamento da doença e/ou falecimento.

Ele quebra o silêncio, o medo e a angústia que envolvem o processo de agravamento dos sintomas e a perspectiva de morte.

Isto minimiza, dentro do possível, a ansiedade, a tristeza, a angústia e o sofrimento pela perda do ente querido. Este tipo de atendimento orienta reações e atitudes e torna-se um alívio e uma força para superar o luto.

Ao oferecer suporte no luto que antecede a morte, conduzindo e facilitando o processo de despedida, os cuidados paliativos ajudam a todos a descobrir como vivenciar as fases do luto após o falecimento da pessoa amada. Ou mesmo a administrar a perda na família e saber da importância de falar sobre isso.   

Conte sempre com o Grupo São Judas Tadeu nos momentos de enfrentamento e superação do luto.

[mk_custom_box margin_bottom=”0″ el_class=”blog-banner_form-plano” bg_color=”#fcba72″][vc_column_text disable_pattern=”false” align=”center” css=”.vc_custom_1532982904217{margin-bottom: 0px !important;}”]

Você e sua família vivendo com tranquilidade.

Já conhece nosso Plano de Assistência Funeral?
Deixe seus dados que entraremos em contato com você, para tirar suas dúvidas.

[contact-form-7 id=”1728″ title=”Plano de Assistência Funeral – Blog”][/vc_column_text][/mk_custom_box]