Benefícios e vantagens da cremação de despojos

Prática e mais higiênica, a cremação de despojos ainda é mais econômica. Quem não tem um plano de assistência funeral e passou pela experiência de ter que enterrar um ente querido sabe o quanto isso pesa no bolso.

Hoje em dia é difícil e em algumas cidades até mesmo impossível, adquirir novos terrenos para sepultamento em cemitérios. As famílias que já puderam fazer isso compreendem o quanto é difícil e oneroso cuidar dos túmulos, fazendo a devida manutenção e arcando com demais despesas.

Entenda o que é cremação de despojos

Falar em cremação de despojos é o mesmo que dizer cremação do corpo sepultado no cemitério. A família do falecido pode decidir o que fazer com as cinzas. Você sabia que tem gente que produz diamante com cinzas de cremação?

Mas o mais comum é enterrá-las no próprio cemitério onde está o túmulo ou em outro de escolha dos famliares. Mas há muitos casos em que os envolvidos preferem jogar em algum lugar significativo. É possível também fazer as duas coisas. Ou seja, enterrar parte das cinzas e outro tanto deixar “voar”.

Espalhar as cinzas no alto de um morro ou sobre as ondas do mar, por exemplo, não são gestos observados apenas em filmes. O procedimento de cremação de despojos e o que se faz com as cinzas podem se tornar uma bonita homenagem para quem já se foi deixando saudades.

Benefícios e vantagens da cremação de despojos

  • Vivenciar o luto significa compreender, aceitar e seguir em frente

Muita gente, principalmente na cultura ocidental, ainda mantém a sensação de que participando do enterro de familiares e amigos que já faleceram fica mais fácil vivenciar as diversas fases do luto.

Estas etapas começam, muitas vezes, até mesmo antes da despedida final. Isso ocorre, principalmente, quando o familiar acometido de doença grave sofre bastante antes de falecer.   

  • Fazer mais uma homenagem permite a “realização” da perda dentro de nós

A cerimônia escolhida pela família para a cremação de despojos e “depósito” das cinzas, como já dissemos, é mais uma ocasião de homenagem. Por ser também um momento de despedida, acaba sendo uma oportunidade para mentalmente dizer à pessoa algo que não foi dito em vida.

Quando as cinzas (resíduo de combustão completa ou quase do corpo) são enterradas em um cemitério junto aos antepassados do falecido e, muitas vezes, de todos os demais familiares, esta percepção também ocorre.    

Atualmente é muito comum que as famílias se dispersem. Seja por oportunidades de trabalho em outro estado ou país, casamentos, estudos, etc. Com isso, a ida ao cemitério para orações ou momentos de reflexão são cada vez mais raras.

Quando ocorrem, acabam sendo mais uma “dor de cabeça” para quem ficou. Já que não é comum vermos túmulos depredados, “pichados” e até sem manutenção alguma por anos a fio. Este incômodo tem levado muitos a exumar os restos mortais e a cremar os despojos. É mais uma forma para realizar a perda dentro de nós.

  • Segurança financeira: Não acumular dívidas futuras acalma o coração

Você já parou para colocar no papel os eventuais impostos dos terrenos comprados em cemitérios, valores pagos a alguém para fazer as devidas manutenções e limpezas necessárias, despesas com velórios, tumularia, tanatopraxia, urnas, caixões, translado de corpo, documentações, enfim tudo que envolve as cerimônias fúnebres?

Provavelmente não. Mas é importante que você saiba que a soma de tudo isso pode ser caro. E que são decisões para serem tomadas com calma e tranquilidade. Longe de todos os aspectos emocionais relacionados à morte de uma pessoa querida.

Mantenha uma segurança financeira para quem você gosta, evitando dívidas futuras, indesejadas e que, infelizmente, muitas vezes nos pegam de surpresa.

Se você tem dúvidas a respeito de como agir sobre cremação de despojos, não hesite em nos contatar. Podemos esclarecer detalhadamente este procedimento e outros serviços especializados oferecidos pelo Grupo São Judas Tadeu.

COMENTÁRIOS