Chorar alivia a dor?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

“O choro vem perto dos olhos para que a dor transborde e caia”, disse a poeta e escritora Cecília Meireles. Chorar no luto é exatamente isso. É uma forma de transbordar o que sentimos. Muitas vezes, funciona como um dos melhores remédios para o alívio da dor.

De fato, existe uma explicação química que relaciona o choro à sensação de conforto. Através das lágrimas, é possível diminuir o nível de manganês do organismo, melhorando o humor e promovendo maior bem-estar.

Além disso, devido ao componente químico chamado encefalina e existente nas lágrimas, chorar tem um efeito analgésico que ajuda a reduzir o estresse. Quando choramos durante um tempo, liberamos ocitocina e opióides endógenos, também conhecidos como endorfina.

Os vários significados do choro ao longo da vida

Esses produtos químicos sensíveis contribuem para o alívio da dor física e emocional. A liberação das endorfinas deixam o nosso corpo em um estágio um tanto adormecido.

Chorar é um processo natural em nossas vidas. É a primeira coisa que fazemos quando nascemos. Por meio do choro, o bebê expressa fome ou dor para a mãe. Com o passar da idade, o choro evolui e significa, na vida adulta, que o indivíduo não está conseguindo lidar com o sofrimento que está sentindo, despertando assim, a empatia de outras pessoas.

O choro, fenômeno que reúne aspectos neurobiológicos, psicológicos e sociais, nos acompanha do nascimento à morte. Choramos de tristeza, raiva, ansiedade, frustração, dor e perda, mas também de alegria, alívio e gratidão.

Se chorar no luto alivia a dor, por que algumas pessoas não choram?

Quando perdemos alguém muito querido, chorar faz parte do processo de viver e aceitar o luto para reunir forças e seguir em frente. No entanto, algumas pessoas agem de forma diferente que quase, ou simplesmente, não choram.

Isso não quer dizer que elas estão indiferentes ao fato em si ou à dor. Precisamos respeitar e nunca julgar o modo como os outros lidam com a morte. E levar em conta a cultura em que cada um está inserido.

A falta de lágrimas não significa que há falta de emoção ou de sentimentos. A ausência de um ente querido pode ser enfrentada de maneiras diversas pelas pessoas enlutadas. Há alguns casos, ainda, de pessoas que não choram devido a fatores fisiológicos, quando não há produção de lágrimas.

Por outro lado, existem pessoas que procuram segurar o choro em momentos de dor e sofrimento por luto. Ou que não conseguem expressá-lo. Isso pode ser muito prejudicial ao organismo. Indivíduos com esse perfil estão mais sujeitos a desenvolver doenças físicas crônicas como obesidade, hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares, câncer, problemas reumatológicos e de saúde mental como depressão.

Muita gente também segura o choro em público porque sente vergonha. Talvez porque, desde pequenas, ouviram dizer para “engolir” o choro, que chorar é feio, que homem não chora, entre outras frases que desestimulam e reprimem as lágrimas.

Chorar como parte da vida de homens e mulheres

Homens e mulheres podem e devem chorar quando quiserem. Na nossa cultura, isso ainda é um ponto de atenção, já que o choro é considerado uma fraqueza. Diante disso e enquanto o homem ainda é criado para ser forte e não demonstrar suas emoções, o choro masculino segue sendo um tabu. 

De acordo com estudos científicos, as mulheres choram entre 30 a 64 vezes por ano, enquanto os homens vertem suas lágrimas entre 6 a 17 vezes por ano. Há causas biológicas e hormonais que justificam estes dados.

Existe um fator físico interessante nos homens que retraem o choro e os ajuda a disfarçá-lo. As glândulas lacrimais masculinas são maiores. Portanto, derramam lágrimas mais lentamente do que as glândulas femininas.

Diferenças hormonais ou biológicas também ajudam a justificar as possíveis diferenças de gênero: a testosterona pode inibir os homens de chorarem. Já a prolactina, hormônio que estimula a produção do leite materno, está 60% mais presente nas mulheres do que nos homens. Ela pode promover mais o choro.

A importância do choro nas fases do luto

Já sabemos que o luto é um processo importante e fundamental que objetiva a superação da perda e falta de um ente querido que parte. As cinco fases do luto são negação, raiva, negociação, depressão e aceitação.

Todas estas etapas costumam envolver, involuntariamente, as lágrimas de saudades. Isso é positivo, desde que não seja em excesso. Se o ato de chorar for algo recorrente e duradouro, o ideal é procurar ajuda médica e psicológica para que seja viável equilibrar melhor as emoções.

Mesmo já tendo passado as fases do luto, muitas vezes as saudades de quem perdemos permanecem. Seja quando estamos comemorando uma data especial ou quando vemos fotos ou objetos que nos fazem lembrar de alguém querido que não está mais presente entre nós.

Nestes momentos especiais, a dor bate forte. E é perfeitamente natural que a gente chore. Veja, a seguir, os benefícios de extravasar a emoção em forma de lágrimas:

Acalma

Chorar ajuda a transformar um momento estressante de saudade e dor em um estado de calma pra alma. Ao chorar, renovamos as energias de nosso corpo e mente, saindo de um forte estado de tensão, liberando ansiedade, pânico e angústia para a paz e harmonia.

Melhora o humor

Após uma sessão de choro intenso, você simplesmente se sente muito melhor, tornando-se capaz de enfrentar o resto do dia. Isso já aconteceu com você? É incrível, como parece que ficamos mais leves, não é mesmo?

Aproxima as pessoas

As lágrimas ajudam a construir e fortalecer relações. Quando vemos uma pessoa chorando, transmitimos a ela apoio e compreensão. Isso só pode fazer bem.

Recupera a função digestiva

Depois que choramos, ficamos mais calmos e isso contribui para evitar problemas físicos causados pelo nervoso, como vômitos e diarreias. Portanto, chorar ajuda também no processo de digestão.

Desintoxica o corpo

Enquanto as lágrimas emocionais liberam os hormônios de estresse, as lágrimas de reflexo eliminam os agentes externos, por exemplo a poeira. As lágrimas contínuas têm o poder de lubrificar os olhos.

Alivia as dores

Chorar é um alívio, tanto da dor tanto física, quanto emocional. Isso acontece porque quando choramos, o nosso organismo libera hormônios que agem como um analgésico para o organismo.

Contribui para o sono

Quando choramos, o nosso corpo começa a relaxar. É como se tivéssemos tomado um calmante e o sono vem. Noites bem dormidas são cruciais para o processo de cura.

Diminui a pressão arterial

Chorar ajuda a baixar a pressão arterial. Isso se dá porque seu corpo vai relaxar, reduzindo dessa forma, a pressão sanguínea. Note, que depois de chorar profundamente, você se sente mais tranquilo.

Protege os olhos das bactérias

A lisozima, enzima presente nas lágrimas, atua como uma barreira antibacteriana, protegendo nossos olhos. Além disso, é uma maneira muito eficaz e natural de manter a vista limpa, lavando a região de dentro para fora. A lágrima também serve como um mecanismo de defesa. Tanto é que sua produção é aumentada quando algum corpo estranho entra no olho.

Navegue pelo site e conheça os planos do Grupo São Judas Tadeu, bem como seu programa de fidelidade.