Como ser abrigo para alguém com depressão

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A depressão leva a pessoa a um quadro de infelicidade, apatia e perda da vitalidade. Além de somar esses e outros sinais, a doença quando não tratada pode comprometer o sistema imunológico, aumentando o risco de processos inflamatórios.

Entre outros sintomas, veja alguns que indicam fortemente um estado de depressão.

  • Cansaço extremo;
  • Fraqueza;
  • Irritabilidade;
  • Angústia;
  • Ansiedade;
  • Autoestima baixa;
  • Insônia;
  • Excesso de sono;
  • Total falta de interesse;
  • Perda de apetite;
  • Pensamentos pessimistas recorrentes;
  • Dificuldade de concentração.

Em casos mais severos, a depressão pode levar o indivíduo ao suicídio, pondo fim à condição de desespero em que vive. O depressivo não consegue ver solução para tudo que está sentindo.

Ele sente-se impotente, sem capacidade ou com desempenho baixo para executar as tarefas do dia a dia. Seja o trabalho, os estudos e a vida social em geral. Por isso, é comum que o paciente queira se isolar, o que piora ainda mais sua condição.

Mas, afinal, quais são as causas da depressão?

De acordo com os estudos realizados, as causas da depressão podem estar relacionadas à genética (casos na família), à bioquímica cerebral ou a outros eventos. A causa genética se dá em pessoas quando a família possui histórico de casos. Isto é, o indivíduo pode ter 40% de chance de também desenvolver doença.

Quando a causa é a bioquímica cerebral, ocorre uma deficiência de substâncias chamadas neurotransmissores, como noradrenalina, serotonina e dopamina. Elas são responsáveis por regular nossa atividade motora, do apetite, do sono e do humor.

E, por fim, a terceira causa da depressão está relacionada a eventos estressantes que podem desencadear a doença naqueles que já têm uma predisposição genética para desenvolvê-la. Podem ser inúmeros esses eventos vitais.

Como exemplos temos as perdas diversas (morte, emprego, relacionamentos) e doenças (como o câncer). Conheça os principais fatores de risco que podem contribuir para o desenvolvimento da depressão:

  • Histórico familiar;
  • Transtornos psiquiátricos correlatos;
  • Estresse crônico;
  • Ansiedade crônica;
  • Disfunções hormonais;
  • Dependência de álcool e drogas ilícitas;
  • Traumas psicológicos;
  • Doenças cardiovasculares, endocrinológicas, neurológicas, neoplasias entre outras;
  • Conflitos conjugais;
  • Mudança brusca de condições financeiras e desemprego.

Depressão mal-cuidada pode levar a pessoa à tentativa de suicídio

A campanha nacional “Setembro Amarelo” alerta para a prevenção do suicídio, causa da morte de mais de 13 mil pessoas todos os anos no Brasil e mais de 1 milhão no mundo.

Sem distinção de classe ou região, o suicídio é a segunda principal de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos.

Estudos apontam que cerca de 96,8% dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e do abuso de substâncias.

Diante dessa dura realidade, não se pode ficar de braços cruzados. Ser um ombro amigo e porto seguro dessas pessoas que sofrem com a depressão pode ajudar a minimizar os efeitos trágicos como os de suicídio. Alguns cuidados nessa hora são importantes. Veja o que não falar ou fazer para uma pessoa com depressão:

  • Não compare o caso dela com o de outra;
  • Não peça que veja o lado positivo;
  • Não pergunte o que há de errado com a pessoa;
  • Não aconselhe para “sair dessa”;
  • Não diga que nada pode fazer por ela;
  • Não fale que “se sentirá melhor amanhã”;
  • Não diga “você tem tudo para ser feliz” ou “todo mundo tem problema” ou “esforce-se”;
  • Não diga que é falta de religião.

O que falar ou fazer para uma pessoa com depressão:

  • Diga “você não está sozinha. Conte sempre comigo”;
  • Demonstre vontade de ajudar, sem esperar que o indivíduo o procure por si próprio;
  • Seja paciente e sereno;
  • Fale menos e escute mais;
  • Tente fazer com que a pessoa reflita sobre a crise pela qual está passando: encoraje-a a pensar no futuro e a planejá-lo. Essa é uma forma de incentivá-la a querer chegar até lá;
  • Fale com a pessoa sobre temas que ela goste;
  • Fale sobre a possibilidade de buscar um tratamento adequado.

Tratamento para a depressão

O tratamento para depressão deve ser feito à base de medicamentos e psicoterapias. A escolha do antidepressivo é feita somente pelo médico psiquiatra e de acordo com o tipo da depressão desenvolvida pelo paciente.

O tratamento, que vai regular a química cerebral, deve ser acompanhado com rigor pela família do paciente e profissional da saúde. O objetivo aqui é evitar as recaídas ou até mesmo o abandono dos remédios pelo doente.

Normalmente, o tratamento é realizado a longo prazo. Já que os remédios levam um tempo para começar a produzir efeitos. Além disso, tudo vai depender da reação e do perfil de cada paciente.

Se você conhece alguém que esteja passando por uma crise de depressão, não hesite em ajudar. E acesse sempre o blog do Grupo São Judas Tadeu para ler outros artigos interessantes sobre acolher corações feridos.